Reflexões sobre a História de Campinas

Da Febre amarela ao Covid-19: epidemias de febre amarela (1889 – 1897) e pandemia de gripe espanhola (1918 – 1919) e DEBATE: Quais memórias lutam hoje nas paisagens da Cidade.

É sempre necessário olhar para a História.
É inaceitável a dolorosa perda de dezenas de milhares de vidas, em decorrência da pandemia de Covid-19, que tem seus danos agravados devido às posturas de um governo genocida que manipula dados, boicota profissionais da saúde e literalmente expressa total desrespeito à vida da classe trabalhadora.
Em meio a dor e a indignação, há muitas especulações sobre o futuro, com relação às consequências para a economia e também sobre possíveis mudanças políticas e culturais.
Não é a primeira vez que a população brasileira, e por decorrência a de Campinas, enfrenta uma crise sanitária semelhante a que está instalada desde março último. As epidemias de febre amarela, entre 1889 e 1897, e a pandemia de gripe erroneamente denominada de espanhola, em 1918 e 1919, são crises sociais e sanitárias já debatidas em pesquisas sob perspectivas teóricas diversas.
Na busca por iluminar o que se apresenta hoje como desafio “pós pandemia/pandemônio” é importante fazer algumas reflexões, à luz das consequência dessas crises anteriores para dinâmica social de nossa cidade.
Com esse objetivo o CCEV – Centro Cultural Esperança Vermelha inicia um ciclo de aulas e conversas, com título Reflexões Sobre a História de Campinas, organizado pela historiadora Sônia Aparecida Fardin.
Os primeiros encontros serão nos dias 11 e 18 de julho, na semana do aniversário de Campinas, em um ano em que a única coisa a ser celebrada é a capacidade de resistência dos trabalhadores e militantes sociais que enfrentam diretamente os riscos do vírus para garantir o direito à saúde e necessidades básicas para manutenção da vida. Assim, celebramos todos os trabalhadores que, apesar dos ataques dos representantes dos interesses do grande capital, lutam pelos direitos trabalhistas e pela defesa do SUS.
O que será do amanhã não sabemos com exatidão, mas sabemos que a História é feita de lutas. É dessa perspectiva, da História como construção humana demarcada pela luta de classes, que esses encontros serão espaços de reflexão, pois só a luta evitará a catástrofe. Para organizar a luta é sempre necessário olhar para a História.

INFORMAÇÕES SOBRE AS ATIVIDADES: Não há necessidade de inscrição prévia, serão transmitidas pelos canais do CCEV

NOVO CURSO CCEV – Reflexões sobre a História de Campinas

11 DE JULHO/2020 – das 9h às 12h

Da Febre amarela ao Covid-19: epidemias de febre amarela (1889 – 1897) e pandemia de gripe espanhola (1918 – 1919)

Profa. Sônia Aparecida Fardin

(Historiadora, militante da cultura e direitos humanos)

18 DE JULHO/2020 das 9h às 12h

DEBATE: Quais memórias lutam hoje nas paisagens da Cidade

Participação: Juliana Siqueira, Rosa Pires Salles, Sônia Fardin, Américo Villela e Antônio Carlos Galdino

Sempre com transmissão – Canais de transmissão online:
Sala Virtual:
https://gramsci.socializandosaberes.net.br/web/ccev/
Facebook
@centroculturalesperencavermelha
Youbube
Centro Cultural Esperança Vermelha – CCEV
Socializando Saberes – https://youtube.com/socializandosaberesnetbr

A imagem pode conter: 1 pessoa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *